terça-feira, 28 de setembro de 2010

Desafio.


Vamos brincar de ver desenhos em núvens?
Quem ganhar delicia-se num beijo.
A Flor se despetalou
Abrindo os braços
Para um abraço
Me desarmando
Com seu laço
E Eu
Em meu pensamento
Permaneci no silêncio
Daquele momento
Em que o vento a levou.

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

:)




Um presente carinhoso de Céu.




Regras:

1. Comentar sobre o blog de quem te presenteou com o selinho.

O Blog "O café de todo dia", de Ana Céu (ocafedetododia.blogspot.com), é um blog especialmente aconchegante, capaz de nos sensibilizar a cada postagem.

2. Dizer 3 coisas que me levam ao delírio.

@ Brigadeiro(s);
@ Um beijo inesperado;
@ Um olhar apaixonado.

3. E repassar para mais 5 blogs.

# Mínimo Ajuste - minimoajuste.blogspot.com
# O Delírio da Bruxa - odeliriodabruxa.blogspot.com
# Folha de Pimenta - universodelara.blogspot.com
# Essência e Palavras - essenciaepalavras.blogspot.com


terça-feira, 14 de setembro de 2010

Pétalas no chão.


Pétalas ao vento
sem lenço
sem documento
Coração sofrido
ferido
partido
Pensamento confuso
sem rumo
no escuro...

Um momento... preciso acender a luz!

domingo, 12 de setembro de 2010

Aquilo Que Dá No Coração




Aquilo que dá no coração
E nos joga nessa sinuca
Que faz perder o ar e a razão
E arrepia o pêlo da nuca
Aquilo reage em cadeia
Incendeia o corpo inteiro
Faísca, risca, trisca, arrodeia
Dispara o rito certeiro

Avassalador
Chega sem avisar
Toma de assalto, atropela
Vela de incendiar
Arrebatador
Vem de qualquer lugar
Chega, nem pede licença
Avança sem ponderar

Aquilo bate, ilumina
Invade a retina
Retém no olhar
O lance que laça na hora
Aqui e agora,
Futuro não há
Aquilo se pega de jeito
Te dá um sacode
Pra lá de além
O mundo muda, estremece
O caos acontece
Não poupa ninguém

Avassalador
Chega sem avisar
Arrebatador
Vem de qualquer lugar
Aquilo que dá no coração
Que faz perder o ar e a razão
Aquilo reage em cadeia
Incendeia

(lenine)

quarta-feira, 8 de setembro de 2010



Em meio ao som do silêncio e à penumbra da pouca luz
Pensamentos vêm e vão...
Vida repentina,
Morte demorada.
Sinto os toques de meu coração
Que hora acelera, hora se acalma.
Um mundo povoando a mente,
Um sentimento alimentando a alma.
Felicidade, tristeza...
Amor, solidão.
Não há como definir,
Só como sentir,
Aguardando a hora certa pra agir...
Ou fingir...
Ou fugir.

quinta-feira, 2 de setembro de 2010


O correr da vida embrulha tudo, a vida é assim:
esquenta e esfria, aperta e daí afrouxa,
sossega e depois desinquieta.
O que ela quer da gente é coragem.

João Guimarães Rosa - Grande Sertão: Veredas